Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Bolsonaro diz que não irá à posse de Alberto Fernández na Argentina

Presidente brasileiro volta a afirmar que apoiava Mauricio Macri, derrotado em primeiro turno, mas nega qualquer tipo de retaliação ao novo governo do país vizinho

Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

01 de novembro de 2019 | 10h21

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro (PSL), disse nesta sexta-feira, 1º, que não irá à posse do presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, em 10 de dezembro.

"Não vou", afirmou na saída do Palácio da Alvorada. Bolsonaro disse que torceu pela reeleição de Mauricio Macri, mas não fará qualquer retaliação ao novo presidente.

Para Entender

Quem é Alberto Fernández, o aliado de Kirchner que chegou à presidência argentina

Com perfil moderado, peronista de 60 anos é novo presidente da Argentina após derrotar Mauricio Macri já no primeiro turno

"Olha a Argentina na situação complicada em que se encontra. Nosso irmão do sul. Peço a Deus que de tudo certo lá. Torci pelo outro, né. Já que (Fernández) ganhou vamos em frente. Não tem qualquer retaliação da minha parte", disse o presidente.

Bolsonaro afirmou ainda esperar que Fernández mantenha relação com o Brasil semelhante a de Macri. "Espero que eles continuem fazendo uma política conosco semelhante ao que o Macri fez até momento."

A Argentina elegeu para a Casa Rosada, no último domingo, o peronista Alberto Fernández, cuja vice-presidente será Cristina Kirchner. Aliado de Bolsonaro, Macri foi derrotado no primeiro turno. O presidente brasileiro já havia lamentado o resultado e dito que não cumprimentaria a chapa vencedora.

Bolsonaro também ficou incomodado com uma imagem publicada por Fernández, horas antes do resultado, em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso desde o ano passado, no âmbito da Operação Lava Jato. 

“O primeiro ato do Fernández foi ‘Lula livre’, dizendo que está preso injustamente. Já disse a que veio”, declarou Bolsonaro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.