André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Brasil trava embate diplomático e contestador com Venezuela, diz Temer

Segundo o presidente, governo está buscando ajudar os refugiados e já editou decreto concedendo identidade provisória para estas pessoas, como forma de identificá-las

Tânia Monteiro e Elizabeth Lopes, O Estado de S.Paulo

09 Fevereiro 2018 | 16h23

Brasília – O presidente Michel Temer disse, em entrevista à Rádio Guaíba, na manhã desta sexta-feira, que “estamos em um embate diplomático com a Venezuela”  e que a ações de seu governo são "diplomáticas" e "contestadoras" em relação ao que acontece no país vizinho. Temer disse que seu governo “discorda da forma como as coisas caminham lá (na Venezuela), que criam o fluxo de refugiados”.

+ Criança venezuelana é atacada em Roraima

Depois de citar que os ministros da Justiça, da Defesa e do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) estiveram ontem Roraima para verificar, de perto, a situação dos venezuelanos no estado, Temer disse que seu governo está buscando ajudar os refugiados e já editou decreto concedendo identidade provisória para estas pessoas, como forma de identificá-las.

“Há uma preocupação permanente com os refugiados venezuelanos no Brasil”, afirmou o presidente, sem citar ações que o governo federal vai desenvolver para ajudá-los, embora tenha informado que já foram repassados recursos para ajudar Roraima.

+ Colômbia impõe travas à entrada de novos refugiados venezuelanos

Ontem, na visita ao estado, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, disse ao Estado que a partir de meados de março o governo federal pretende começar a distribuir a primeira leva de mil venezuelanos que chegaram a Roraima em pelo menos quatro estados: São Paulo, Paraná, Amazonas e Mato Grosso do Sul.

A informação foi dada ao Estado pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann, que esteve nesta quinta-feira em Boa Vista, ao lado dos ministros da Justiça, Torquato Jardim, e do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Sérgio Etchegoyen, para avaliar a “dramática” situação do estado, com a chegada dos venezuelanos, que reconhece que precisam de apoio já que, muitos, estão acampados nas ruas da capital roraimense, causando um grande transtorno para todos.

+ Golpe na Venezuela seria inquietante e anacrônico, diz embaixador brasileiro na OEA

Um censo também será realizado para que se tenha ideia do numero exato de venezuelanos que entraram e estão entrando no país já que os números são conflitantes, mas giram entre 30 mil e 40 mil. Por dia, passam pela fronteira do Brasil cerca de 700 venezuelanos em busca de melhores condições de vida, depois que o país governado por Nicolás Maduro se aprofundou em grave crise econômica, política e social.

Segundo o ministro Jungmann, um plano de ação de governo será colocado em prática já nos próximos meses. Este plano prevê o fortalecimento do ordenamento da fronteira, com ampliação do número de militares nos pelotões de Roraima, reforço de pessoal em todas as agências governamentais.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.