MANDEL NGAN / AFP
MANDEL NGAN / AFP

Chefe de finanças das Organizações Trump ganha imunidade em troca de informações

Allen Weisselberg recebeu imunidade por fornecer informações sobre o ex-advogado do presidente, Michael Cohen, responsável por pagamentos irregulares a duas mulheres que alegavam ter um caso com o magnata

O Estado de S.Paulo

24 Agosto 2018 | 15h59

Procuradores americanos garantiram  imunidade a Allen Weisselberg, chefe de finanças das Organizações Trump, em troca de informações na investigação sobre os pagamentos feitos durante a campanha presidencial do magnata a duas mulheres que alegam ter tido um caso com ele, afirmou a imprensa americana nesta sexta-feira, 24.

A investigação busca determinar se Donald Trump violou a lei de financiamento de campanhas ao fazer pagamentos para silenciar a ex-modelo da Playboy Karen McDougal e a atriz pornô Stormy Daniels. O objetivo seria comprar a exclusividade de publicação de histórias negativas a respeito de Trump, mas jamais publicar as reportagens. Trump diz que não fez nada de errado e que os pagamentos foram feitos com dinheiro do seu bolso.

Allen Weisselberg recebeu imunidade por fornecer informações sobre o ex-advogado do presidente, Michael Cohen. Um advogado das Organizações Trump e o porta-voz dos procuradores federais se recusaram a fazer comentários, segundo o jornal "Wall Street Journal", que foi o primeiro a publicar reportagem sobre a imunidade de Weisselberg. Ele tampouco respondeu aos pedidos de comentários do jornal.

O ex-advogado e homem responsável por resolver problemas de Trump, Michael Cohen, admitiu à Justiça ter feito os pagamentos e se declarou culpado de 8 acusações diante de um juiz em Nova York. Ele afirmou que Trump ordenou a compra do silêncio das mulheres para manter em segredo o caso extraconjugal e disse que o objetivo era impedir que um escândalo prejudicasse Trump na eleição de 2016.

Segundo o jornal "Wall Street Journal", o chefe de finanças das Organizações Trump era responsável por supervisionar as transações financeiras da organização e as pessoais de Trump, além de preparar sua declaração de impostos.

Nesta quinta, a imprensa americana também noticiou que o empresário David Pecker, que é dono da empresa que publica os principais tabloides dos EUA e amigo pessoal de Trump, também recebeu imunidade da Justiça. Os investigadores acreditam que Pecker agiu como um escudo para Trump, comprando a exclusividade de publicação das histórias.

O depoimento do empresário pode ajudar a provar se o presidente agiu ilegalmente durante a campanha eleitoral. / WASHINGTON POST E AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.