Henry Nicholls/Reuters
Henry Nicholls/Reuters

Deputado abandona conservadores e Boris Johnson perde maioria no Reino Unido

Philip Lee deixou a bancada governista enquanto o premiê discursava na Casa

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de setembro de 2019 | 13h32

LONDRES - O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, perdeu a maioria no Parlamento do Reino Unido enquanto ele discursava para os deputados sobre seus planos para o Brexit nesta terça-feira, 3. 

Enquanto Johnson discursava, o deputado Philip Lee deixou a bancada do Partido Conservador, cruzou o salão e se sentou ao lado dos liberais democratas. A coalizão governista, formada pelos conservadores e pelo partido unionista da Irlanda do Norte, DUP, tinha uma maioria de apenas uma cadeira na Casa — 322 deputados, contra 321 das outras siglas somadas

Para Entender

Guia: como a suspensão do Parlamento britânico afeta o Brexit

Manobra do premiê Boris Johnson pode atrasar as discussões para a aprovação de um acordo amigável com a UE

A mudança inverteu o placar e Boris pode ser derrubado do cargo. Ainda nesta terça-feira, por volta das 18h30 no horário britânico, 14h30 no horário de Brasília, o Parlamento britânico decide se colocará em votação uma lei urgente obrigando o Executivo a solicitar um novo adiamento se não houver acordo no fim de outubro. 

Ontem,  Johnson ameaçou membros do Partido Conservador que apoiassem o projeto da oposição com a convocação de eleições antecipadas

O que acontece com Boris Johnson?

Apesar de não ter maioria, Johnson ainda é o primeiro-ministro. Ele só sairá do cargo caso o Parlamento aprove um voto de desconfiança contra ele. Quem tem poder para chamar essa votação é o líder da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn, mas não há garantia de que ele fará isso.

Corbyn pertence a ala mais à esquerda do partido, pode não ter o apoio dos parlamentares centristas, principalmente dos liberais democratas, para se tornar o premiê. 

Caso Boris perca o voto de desconfiança e o Parlamento não consiga aprovar outro nome para o cargo em 14 dias, novas eleições gerais são convocadas automaticamente

A tendência é que Corbyn não chame o voto até ter os votos suficientes para se tornar premiê. Analistas afirmam que é mais provável que a oposição, agora com maioria, vote o projeto para impedir a saída sem acordo, e adie o Brexit novamente.

Quanto às intenções de voto, os conservadores têm 33% contra 22% para os trabalhistas, 21% para os liberais-democratas e 12% para o Partido do Brexit.

Deputado desertor teme ruptura do Reino Unido

Lee atribuiu sua ruptura com o Partido Conservador, que é liderado pela ala eurocética da legenda desde a renúncia de Theresa May, a preocupações com o futuro do país. 

“O governo conservador está buscando um Brexit prejudicial, colocando vidas em risco ... e ameaçando injustificadamente a integridade do Reino Unido”, declarou Phillip Lee.

O novo partido de Lee, por sua vez, comemorou o aumento da bancada. “Os liberais democratas têm o prazer de anunciar que o deputado Phillip Lee, de Bracknell, se juntou ao partido”, afirmou o partido em comunicado.

Johnson negociará Brexit em visita à Irlanda

O primeiro-ministro  viajará à Irlanda na próxima semana, depois de dizer que o progresso das negociações sobre o Brexit estão centradas na controvertida fronteira irlandesa.

“Discutirei com o primeiro-ministro Leo Varadkar quando o vir em Dublin na segunda-feira", afirmou Johnson ante o Parlamento, anunciando que esta será sua primeira visita ao país vizinho desde que chegou ao poder em julho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.