Steve Hendrix/Washington Post
Steve Hendrix/Washington Post

Diplomacia de pacotes turísticos: milhares de israelenses viajam para Dubai após acordo de paz

Autoridades de turismo de Israel esperam que mais de 70 mil cidadãos visitem os Emirados Árabes Unidos durante os dias de Hannukah, uma troca sem precedentes entre o Estado judeu e um de seus vizinhos árabes

Steve Hendrix, The Washington Post

15 de dezembro de 2020 | 11h00

DUBAI - Ashish Negi se orgulha de identificar a nacionalidade dos turistas assim que eles entram em sua joalheria - para que ele possa ser brincalhão com americanos, conversador com britânicos e pronto para barganhar com russos - mas ele ficou perplexo com o homem alto usando chapéu preto e as costeletas encaracoladas que entraram na semana passada.

“Isso era algo que eu não tinha visto em Dubai”, disse Negi sobre o primeiro visitante judeu ultraortodoxo a chegar ao seu canto do tradicional mercado de ouro da cidade, parte de uma onda de turistas israelenses que desceram aos Emirados Árabes Unidos recentemente. “É muito bom ter novos clientes para aprender.”

Nas duas semanas desde que os voos comerciais começaram entre Tel-Aviv e as cidades dos Emirados de Dubai e Abu Dhabi, os israelenses causaram um boom de turismo notável na nação do Golfo. De repente, o hebraico pode ser ouvido em todos os mercados, shoppings e praias de um destino que estava estritamente proibido até que os dois países alcançaram um avanço diplomático em agosto e estabeleceram relações normais.

Mais de 50 mil israelenses deixaram de lado as preocupações com a covid-19, um alerta de terrorismo e décadas de tensão para fazer o voo de três horas pela Península Arábica. Autoridades de turismo israelenses esperam que mais de 70 mil cheguem durante os oito dias de Hanukkah, que começou na semana passada, em uma troca sem precedentes entre o Estado judaíco e um de seus vizinhos muçulmanos historicamente distantes.

Os primeiros israelenses a chegar descreveram um conflito cultural agradável, diferente de tudo que eles experimentaram na região. “Isso é muito mais caloroso do que sentimos na Jordânia ou no Egito”, disse Arieh Engel, citando os dois países árabes que há muito mantêm relações oficiais com Israel, mas não particularmente amigáveis.

Em seu quarto dia nos Emirados Árabes Unidos, Engel tinha acabado de cantar "Feliz Aniversário" para ele em árabe, inglês e, finalmente, em um hebraico hesitante pela equipe da Arabia Tea House na Cidade Velha de Dubai. “Parece que eles realmente nos querem aqui”, disse ele.

Os acordos diplomáticos alcançados desde o verão entre Jerusalém e Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Sudão e, na semana passada Marrocos, quebraram o longo frio entre os países árabes e Israel. Os líderes palestinos acusam esses países árabes de traição ao normalizar os laços com Israel enquanto este ainda ocupa a Cisjordânia e bloqueia a criação de um Estado palestino independente.

Mas os incentivos dos Emirados Árabes Unidos para abrir relações com Israel foram significativos. Os laços parecem ser uma bênção para a indústria do turismo dos Emirados Árabes Unidos e potencialmente valem bilhões de dólares em investimento estrangeiro em alta tecnologia, agricultura e armas.

“Eles são tão ricos aqui”, maravilhou-se Reem Iluz, um engenheiro de construção de Tel-Aviv carregado com sacolas no palaciano Dubai Mall, em algum lugar entre o aquário de 2,6 milhões de galões de água e a pista de gelo de 1.700 metros quadrados. “Eles têm muito a perder se não houver paz.”

Engel e sua mulher, Adina, reservaram um pacote turístico de sete noites no valor de US$ 1.800 assim que foi anunciado o acordo de retomada de relações em novembro, em parte porque estavam desesperados para viajar após 10 meses de restrições ao coronavírus. Mas o casal também compartilha o desejo israelense de se sentir bem-vindo em sua própria região. “Para mim, parece que a Cortina de Ferro está se levantando”, disse Adina.

Ambos os governos trabalharam para começar a girar as máquinas de turismo, com alguns pequenos recuos.

Cada país declarou o outro como um cobiçado “país verde”, permitindo que os visitantes viajassem de um lado para outro sem ficar em quarentena. Mas o Ministério da Saúde de Israel mudou brevemente o status dos Emirados Árabes Unidos para vermelho na semana passada, deixando os israelenses em pânico pensando que teriam que se isolar quando voltassem para casa.

A agência rapidamente reverteu a ligação a pedido do Ministério das Relações Exteriores.

A segurança também causou preocupação. Após o assassinato no mês passado de um importante cientista nuclear iraniano, um ataque amplamente atribuído a Israel, seu Conselho de Segurança Nacional pediu aos israelenses que evitassem viajar aos Emirados Árabes Unidos por medo de que agentes iranianos os visassem. O aviso não teve muito impacto, de acordo com os operadores turísticos.

“Eles não disseram para não ir, o que fazem em alguns casos”, disse Yaniv Stainberg, gerente geral da Privilege Tourism. “As pessoas tinham dúvidas, mas ninguém cancelou.”

Empresas de turismo em ambos os países estão realizando cursos de Zoom para educar umas às outras sobre costumes e etiqueta. Os gerentes adicionaram menorá à decoração de Natal do saguão.

Uma gerente de recepção disse às governantas para olharem para o outro lado se vissem sinais de velas de Hanukkah sendo acesas nos quartos, desde que não parecesse muito perigoso.

A Treat Gourmet, uma empresa de catering de longa data em Dubai, se transformou em uma fornecedora de comida kosher em questão de semanas, assim como um clube de oficiais militares em Abu Dhabi. O Centro da Comunidade Judaica (CCJ) local tem um contrato com as autoridades de turismo de Abu Dhabi para treinar e certificar quase 150 cozinhas de hotéis em conformidade com o padrão kosher (que respeita as leis judaicas).

Durante o caminho, os chefs estão fazendo o que podem. Alguns aprenderam soluções temporárias que irão satisfazer os defensores menos estritos do kosher, como cozinhar peixes em papel alumínio para isolá-los de um forno não kosher.

“Eles realmente trabalharam muito para nos ajudar”, disse Yossi Herzog, um guia da Millennium Travel de Israel que estava liderando a segunda viagem de uma semana da empresa em Dubai. Sete de seus 160 israelenses mantêm-se kosher, e o Hyatt Regency Dubai Creek Heights se esforça para alimentá-los.

“Felizmente, todas as carnes aqui já são halal, o que é uma grande vantagem”, disse Arun Narayanan, gerente de alimentos e bebidas do hotel, referindo-se às regras muçulmanas de açougue que são semelhantes aos requisitos kosher.

Ainda assim, é provável que a demanda sobrecarregue a oferta nos próximos meses. “Eu recomendo fortemente não deixar os biscoitos e latas de atum em casa!” um site de viagens judaico alertou visitantes observadores em Dubai.

O Centro Comunitário Judaico, que anteriormente atendia a uma pequena população de visitantes de negócios e residentes, conta com cerca de cinco funcionários para cerca de 30 pessoas, pois se torna o centro de ajuda para os israelenses que chegam, de acordo com o rabino Mendel Duchman.

“Recebemos cerca de 300 e-mails por dia”, disse ele. Os visitantes querem saber onde podem comer e orar e encontrar um micvê, o banho ritual que as mulheres praticantes visitam mensalmente.

Olhando para os tempos de expansão que se avizinham, o CCJ está se preparando para construir um condizente com os padrões de luxo de Dubai. “Provavelmente será o micvê mais legal do mundo”, disse Duchman.

Para o primeiro Hanukkah público de Dubai, o CCJ está realizando uma extravagância noturna na base do Burj Khalifa de 163 andares, o edifício mais alto do mundo. Centenas de israelenses dançam, enquanto a música de cantores e um DJ vindo de Israel ecoa nas torres ao redor.

“Eu realmente acho que este é o melhor lugar para ser judeu”, disse Duchman acima do barulho.

A maioria dos turistas israelenses não é particularmente religioso, o que os deixa livres para passear durante o sábado judaico. Herzog fez seu passeio a toda velocidade no sábado, indo de ônibus e táxi aquático da Cidade Velha aos souks de especiarias e ouro e à extensa exposição cultural Global Village.

Ele fez parceria com Norman Ali Khalaf, o autodenominado reitor dos guias turísticos de Dubai. As empresas israelenses contrataram Khalaf para informar seus próprios guias sobre o que fazer e não fazer em viagens no país conservador (não beije em público. Não corte nas filas. Gritar é desaprovado e xingar pode ser multado).

Algumas empresas de turismo estão oferecendo aos seus clientes um tutorial próprio, visto que os israelenses têm uma reputação, mesmo entre eles, de visitantes turbulentos.

Mas seria difícil imaginar alguém mais turbulento do que Khalaf, que entrou no ônibus vestindo um kaffiyeh palestino na cabeça, cumprimentando o grupo em árabe e hebraico estrondosos. Em poucos minutos, ele estava dançando no corredor com um policial aposentado do norte de Israel.

O avô de Khalaf era um muçulmano de Jaffa, agora localizado em Israel, que se casou com uma judia ucraniana, e Khalaf se considera um símbolo da reputação de Dubai por tolerância religiosa. Ele apontou templos hindus e igrejas cristãs ao longo do caminho.

Em uma pequena galeria de arte na Cidade Velha, ele descreveu um retrato a óleo do primeiro presidente dos Emirados Árabes Unidos, Sheikh Zayed Bin Sultan Al Nahyan, como "nosso Ben Gurion", referindo-se ao pai fundador de Israel. “Eu sou um palestino muçulmano guiando judeus israelenses”, disse ele com uma risada, de pé na calçada com sua placa de turismo erguida, preparando-se para liderar o caminho para as ruas estreitas do mercado de especiarias. “Isso é uma coisa muito Dubai.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.