Jose Caviedes / EFE
Jose Caviedes / EFE

Em plebiscito municipal, chilenos votam por mudança na Constituição de Pinochet

Votação contou com a participação de mais de 200 municípios; dos 1.055.044 votos registrados, 846.110 foram a favor de mudar o documento

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2019 | 08h36

SANTIAGO - Com a participação de mais de 200 municípios, os chilenos reafirmaram o que as pesquisas apontavam e apoiam uma mudança na Constituição herdada da ditadura, de acordo com os resultados preliminares da consulta não vinculante divulgados no domingo, 15, pelas autoridades locais. 

A consulta, que foi realizada quase dois meses após o início dos protestos no país, começou com a votação nos sites dos municípios e somou-se no domingo às votações presenciais. 

No total, cerca de 1,5 milhão de eleitores puderam votar. Nas eleições gerais de 2017, o registro de eleitores era de 14,3 milhões de pessoas. 

Para Entender

Por que o Chile ainda tem uma Constituição herdada da ditadura? Entenda

Documento foi aprovado em setembro de 1980 em um polêmico plebiscito durante o regime militar; veja como ele ainda segue vigente no país

Na primeira divulgação de resultados, a Associação Chilena de Municípios informou que, nas 29 cidades que realizaram a consulta eletronicamente, foram registrados 1.055.044 votos. Desse total, 846.110 votaram para mudar a Constituição. 

80% quer nova Constituição

"Cerca de 80% dos cidadãos pedem uma nova Constituição e 70% pedem que essa Constituição seja feita por uma constituinte", disse Felipe Delpin, prefeito de La Granja, ra região Metropolitana de Santiago, à rádio Cooperativa. 

Para Entender

Guia para entender os confrontos no Chile

Presidente diz que país está ‘em guerra’ diante das manifestações violentas; entenda o que está acontecendo

As outras questões priorizadas pelos eleitores foram demandas que marcaram as manifestações: aposentadorias, saúde e educação pública. 

O apelo às urnas foi lançado pelos prefeitos, respondendo aos pedidos dos manifestantes para mudar a Constituição herdada da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990). 

No entanto, com o acordo político subsequente alcançado no Congresso para decidir em um plebiscito nacional em abril de 2020 sobre a alteração ou não da Carta Magna, a votação deste domingo foi estendida a outras áreas. 

As regiões de Las Condes, Vitacura e Lo Barnechea, três das mais ricas de Santiago, retiraram a questão sobre a Constituição da consulta. / AFP

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    Chile [América do Sul]constituição

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.