Alaa Badarneh/ EFE
Alaa Badarneh/ EFE

Israel ataca Hamas após o lançamento de cinco foguetes a partir da Faixa de Gaza

Ao menos quatro palestinos morreram e 300 ficaram feridos; eles participavam da Grande Marcha do Retorno

AFP, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2019 | 02h23

Cinco foguetes foram disparados a partir da Faixa de Gaza em direção a Israel na madrugada (horário local) deste domingo, 31. Os foguetes não provocaram vítimas, segundo um comunicado do exército, mas motivaram os disparos de tanques israelenses contra posições militares do Hamas. O confronto deixou quatro mortos e 300 palestinos feridos, além de haver o risco de uma escalada com o Estado judeu.

Dezenas de milhares de palestinos se reuniram, no sábado, 30, perto da fronteira israelense na Faixa de Gaza para marcar o primeiro aniversário de uma mobilização chamada de Grande Marcha do Retorno, que mantém a fronteira sob tensão há um ano. Horas depois, na madrugada deste domingo,

Entre os vários pontos de encontro, milhares de moradores do enclave espremido entre Israel, Egito e o Mediterrâneo, caminharam em direção à fronteira com bandeiras palestinas. Em Malaka, a leste da cidade de Gaza, a maioria dos manifestantes se manteve longe da cerca para ficar fora do alcance dos atiradores israelenses. Mas alguns palestinos se aproximaram a algumas dezenas de metros, queimaram pneus para atrapalhar a visibilidade dos atiradores e jogaram pedras nos soldados antes de voltar correndo. O Exército israelense respondeu, disparando gás lacrimogêneo e abrindo fogo. 

Três adolescentes palestinos de 17 anos, um deles atingido no rosto enquanto se manifestava no leste de Gaza e os outros dois alvejados por tiros israelenses enquanto protestavam na região sul do enclave, morreram, segundo o ministério da Saúde de Gaza. Mais cedo, perto da fronteira, um palestino de 20 anos foi morto por tiros israelenses durante uma manifestação noturna.

Ao todo, 300 palestinos ficaram feridos, incluindo 64 por balas reais, segundo o ministério da Saúde palestino. O Exército israelense contabilizou 40 mil participantes na mobilização de sábado.

As chamadas se multiplicaram em favor de um protesto não violento. O espectro de uma nova guerra ressurgiu nas últimas semanas entre Israel e o Hamas, que seria a quarta desde que o movimento islâmico, que nega a existência de Israel, assumiu o poder em Gaza em 2007. A questão é se o Hamas tentará conter a violência contra os soldados israelenses ou se dará liberdade total aos manifestantes.

Apesar dos apelos dos organizadores, "vamos para a fronteira, mesmo que tenhamos que morrer", disse Yousef Ziyada, 21 anos, com um rosto pintado nas cores palestinas. "Estamos aqui em Abu Safia, a leste de Jabaliya, para expulsar os judeus de nossa terra", afirmou. "Vamos voltar para a nossa terra".

Desde 30 de março de 2018, milhares de moradores de Gaza protestam toda semana para exigir o levantamento do bloqueio estrito que Israel impõe há mais de dez anos a Gaza e pelo direito de retornar às terras que eles ou seus pais fugiram ou foram expulsos na criação de Israel em 1948.

Pelo menos 262 palestinos foram mortos desde então, a maioria deles em "marchas do retorno", o restante em ataques israelenses de retaliação a atos hostis. Dois soldados israelenses foram mortos.

Palestinos e defensores dos direitos humanos acusam Israel de uso excessivo da força. Israel diz que está apenas defendendo sua fronteira.

Atiradores de elite

O Exército israelense havia mobilizado milhares de soldados, dezenas de atiradores de elite, tanques e artilharia no caso de grupos armados lançarem foguetes contra Israel.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu alertou que seu país está pronto para realizar uma operação "em grande escala", se necessário. Mas ele também insinuou que pretendia dar uma chance à mediação egípcia. Tanto que negociações aconteceram na sexta-feira sob mediação do Egito, um intermediário tradicional entre o Hamas e Israel. Uma delegação egípcia visitou neste sábado o local da mobilização.

O Hamas busca nas negociações aliviar o bloqueio israelense que sufoca a Faixa de Gaza. Israel justifica o bloqueio pela necessidade de conter o Hamas.

O Hamas e Netanyahu estão sob pressão. O primeiro enfrentou recentemente manifestações contra a profunda recessão econômica, que ele reprimiu severamente. O segundo, diante da forte competição nas eleições, é acusado por seus oponentes de fraqueza contra o Hamas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.