Gleb Garanich/Reuters
Gleb Garanich/Reuters

Míssil russo atinge prédio residencial em Kiev, mas Moscou nega atacar civis; veja vídeo

Pouco antes, a Rússia havia informado o disparo de mísseis de cruzeiro, porém contra estruturas militares da Ucrânia

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2022 | 13h22

KIEV - O terceiro dia de ataques da Rússia contra a Ucrânia registrou diversos combates em Kiev, onde russos enfrentam forte resistência. Imagens registraram o momento em que um míssil russo atingiu um prédio residêncial na capital, apesar das negativas do Kremlin de que civis estejam sendo atingidos pelos ataques.

Segundo o Serviço de Situações de Emergência da Ucrânia, o projétil caiu entre o 18º e o 21º andar de um prédio em Kiev, no momento em que moradores estavam sendo retirados. Não há informação sobre feridos. 

"Kiev, nossa esplêndida e pacífica cidade, sobreviveu a mais uma noite de ataques das forças terrestres russas e aos mísseis. Um deles atingiu um imóvel residencial em Kiev", afirmou o ministro ucraniano das Relações Exteriores, Dmytro Kuleba. 

Pouco antes, a Rússia havia informado o disparo de mísseis de cruzeiro, porém contra estruturas militares. Na sexta-feira, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Serguey Lavrov, afirmou que "nenhum ataque está sendo feito na infraestrutura civil".

De acordo com dados do Ministério da Saúde da Ucrânia, citados pela agência Interfax, 198 pessoas morreram desde o início da invasão russa, incluindo três crianças. Além disso, 1.115 pessoas ficaram feridas, sendo 33 crianças.

As tropas ucranianas têm resistido ao avanço militar russo na capital, enquanto os bombardeios aumentam na tentativa da Rússia de tomar o controle da cidade. Em menor número e pouco armadas, as forças ucranianas lutam com a ajuda de civis que receberam armas do governo./AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.