REUTERS/Leah Millis
REUTERS/Leah Millis

Troca de farpas entre Trudeu e Trump agrava ainda mais crise no G7

O presidente Donald Trump disse que os EUA não vão assinar a declaração emitida pelo G7, evidenciando o agravamento da tensão entre Washington e seus tradicionais aliados

Cláudia Trevisan, CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

09 Junho 2018 | 21h20

WASHINGTON - O presidente Donald Trump disse neste sábado, 9, que os EUA não assinariam a declaração emitida pelo G7, evidenciando o agravamento da tensão entre Washington e seus tradicionais aliados em torno do comércio

+ Trump afasta aliados ao pedir que Rússia volte a integrar o G7

A decisão foi anunciada em um tuíte no qual Trump ameaçou impor tarifas sobre a importação de carros que estariam “inundando” o mercado americano. O presidente a justificou com o argumento de que o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, deu “declarações falsas” sobre o comércio com os EUA. 

Anfitrião do G7, Trudeau anunciou retaliação às tarifas sobre aço e alumínio impostas pelos EUA. “Os canadenses, nós somos educados, nós somos razoáveis, mas nós não vamos levar empurrões.”

+ ANÁLISE: Divisão ameaça reduzir grupo e transformá-lo em G6

O encontro do G7 no Canadá agravou ainda mais as diferenças entre os EUA e seus tradicionais aliados em relação ao comércio e evidenciou o isolamento de Donald Trump entre as nações industrializadas democráticas. O presidente americano disse que outros países tinham mais a perder nas transações com os EUA e ameaçou suspender o comércio com as nações que não atenderem suas demandas –algo que dificilmente será implementado.

“Nós somos como o cofrinho do qual todo mundo rouba”, afirmou em entrevista coletiva, antes de embarcar para Cingapura. Trump chegou atrasado ao encontro na sexta-feira, 8, e partiu no sábado, 9, quatro horas antes do fim da cúpula com Canadá, Alemanha, França, Inglaterra, Itália e Japão. Trump voltou a defender a volta da Rússia ao G7 e, contrariando todas as evidências, disse que o encontro foi “maravilhoso”. 

+ Trump defende 'direito absoluto' de indultar a si mesmo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.