Sonny Tumbelaka/AFP Photo
Sonny Tumbelaka/AFP Photo

Vulcão obriga 40 mil moradores e turistas de Bali a buscar abrigos provisórios

443 voos foram cancelados no aeroporto internacional de Denpasar, capital da ilha, destino turístico mundial com milhões de visitantes por ano; mais de 120 mil viajantes foram afetados

O Estado de S.Paulo

28 Novembro 2017 | 12h04

BALI, INDONÉSIA - Abrigos provisórios e hotéis de Bali, grande destino turístico na Indonésia, estavam lotados nesta terça-feira, 28, de pessoas que buscam refúgio diante do risco de erupção do vulcão Agung, que obrigou autoridades a fechar o aeroporto internacional pelo segundo dia consecutivo. 

+Agência alerta sobre o risco de inundações de material vulcânico na Indonésia

Nesta terça-feira, 443 voos foram cancelados no aeroporto internacional de Denpasar, capital da ilha, destino turístico mundial com milhões de visitantes por ano. Mais de 120 mil viajantes foram afetados.

Aproximadamente 40 mil pessoas já deixaram a zona de risco para ir para um dos mais de 200 centros de evacuação. As autoridades estimam que um total de 100 mil habitantes podem ter de ser retirados.

Milhares de habitantes deixaram suas casas nos arredores do vulcão e se juntaram a turistas desamparados e na busca por um lugar onde dormir. As autoridades, que decretaram o nível de alerta máximo, advertiram que o vulcão pode entrar em erupção a qualquer momento.

O monte Agung lança há dias grandes quantidades de uma espessa fumaça cinza e os aviões não poderão decolar até pelo menos a manhã desta quarta-feira. “O vulcão continua projetando cinzas. São espessas e se elevam muito alto no ar, até três ou quatro quilômetros sobre a cratera”, declarou I Gede Suantika, membro da agência de atividade vulcânica indonésia. “A atividade do monte Agung continua sendo muito intensa. Continuamos no nível de alerta mais elevado.”

+Aeroporto de Bali fecha pelo segundo dia consecutivo por ameaça do vulcão

Geologia

O monte Agung é um vulcão de tipo "explosivo", em geral mais temidos que os vulcões de tipo "efusivos" cuja lava, fluida, se esparrama por seu relevo.  Os vulcões explosivos, ricos em água, são suscetíveis de gerar explosões importantes que projetam enormes quantidades de lavas e cinzas ardentes, muito alto na atmosfera. 

Com pouco mais de 3 mil metros de altura, o monte Agung deu os primeiros sinais de reativação em setembro: 144.000 pessoas tiveram que ser retiradas. 

Sua atividade parecia ter-se acalmado no final de outubro, pelo qual o nível de alerta foi rebaixado. Milhares de pessoas voltaram a suas casas, mas há dias o vulcão começou a rugir novamente. 

A Indonésia, arquipélago com mais de 17 mil  ilhas e ilhotas, está situada no chamado "Cinturão de Fogo" do Pacífico, onde a colisão de placas tectônicas provoca frequentes abalos e uma importante atividade vulcânica./ AFP

Mais conteúdo sobre:
Ilha de Bali aeroporto Vulcão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.