Jim Watson/AFP Photo
Jim Watson/AFP Photo

Trump diz que ‘tudo será consertado’ com Pyongyang, mas usará capacidade militar para impedir ataque

Em visita a Seul, presidente dos EUA afirma que Coreia do Norte é ‘uma ameaça mundial que requer uma ação mundial’

O Estado de S.Paulo

07 Novembro 2017 | 05h53
Atualizado 07 Novembro 2017 | 15h04

SEUL - O presidente americano, Donald Trump, disse nesta terça-feira, 7, que os EUA estão preparados para usar a gama completa de forças militares para impedir um ataque da Coreia do Norte, e ressaltou que está focado em usar “todas as ferramentas disponíveis antes da ação militar” para prevenir um conflito.

+ Em viagem à Ásia, Donald Trump liga comércio a segurança do Japão

“A Coreia do Norte é uma ameaça mundial que requer uma ação mundial”, disse Trump a repórteres, em uma entrevista coletiva ao lado do presidente sul-coreano, Moon Jae-in. Pouco antes, ele tinha falado em resolver a situação com Pyongyang. "Vamos tratar com os principais generais sobre a situação na Coreia do Norte. Em última instância, tudo será consertado. Sempre se conserta. Tem que se ajeitar.”

+ Trump perde a paciência ao alimentar carpas japonesas e viraliza na web

Os comentários vieram depois que os dois líderes realizaram conversas formais na residência presidencial Casa Azul, em Seul, onde Moon disse a Trump que espera que sua visita alivie um pouco a ansiedade dos sul-coreanos em relação à Coreia do Norte e sirva como um “ponto de virada na resolução da questão nuclear norte-coreana”.

"Estamos mostrando uma posição muito forte, e acho que eles entendem que temos um poder militar incomparável", disse Trump, ao ser questionado sobre a postura de Washington diante de Pyongyang e a possibilidade de liderar a Coreia do Norte nas negociações para a desnuclearização.

"Acreditamos que faria sentido para a Coreia do Norte que decidisse se sentar à mesa de negociações e fazer um acordo. É verdade que vejo certo movimento, sim, veremos aonde conduz", afirmou Trump.

O líder americano chegou nesta terça-feira à Coreia do Sul, na segunda etapa de sua viagem pela Ásia, com a promessa de "resolver tudo", apesar das divergências com Seul a respeito da questão nuclear norte-coreana.

O avião presidencial Air Force One pousou às 12h30 (1h30 em Brasília) na base aérea de Osan, na região de Seul, onde o presidente e sua mulher, Melania, foram recebidos pela ministra sul-coreana das Relações Exteriores, Kang Kyung-wha.

Nos últimos meses, a tensão aumentou a respeito do programa nuclear de Pyongyang e o presidente americano trocou insultos e ameaças, inclusive de guerra, com o líder norte-coreano Kim Jong-un, um conflito que afetaria os 10 milhões de habitantes da Coreia do Sul. / REUTERS, AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.