CHARLES SHOLL/FUTURA PRESS
CHARLES SHOLL/FUTURA PRESS

Brasil condena ação de governo chavista contra opositora venezuelana

Regime de Nicolás Maduro afirma que María Corina Machado está envolvida em plano de atentado contra o presidente

Lu Aiko Otta / Brasília, O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2018 | 16h40

BRASÍLIA - O governo brasileiro divulgou nesta quarta-feira, 20, uma nota dizendo ter recebido com “grande preocupação” a notícia de que o governo da Venezuela teria a intenção de vincular a opositora María Corina Machado a um suposto plano de atentado de militares contra o presidente Nicolás Maduro ou militar de alta patente. Corina é uma das “mais combativas lideranças oposicionistas naquele país”, diz a nota do Ministério das Relações Exteriores brasileiro.

“Ao reiterar sua mais firme condenação a todas as formas de violência política na Venezuela ou em qualquer outro país, o governo brasileiro apela ao governo venezuelano à moderação e ao respeito aos direitos inerentes às atividades da oposição, sem a qual não pode existir democracia”, conclui a nota.

+ Mercosul pressiona Venezuela a aceitar ajuda humanitária

Embora não exista confirmação oficial sobre o caso contra Corina Machado, as ameaças foram suficientes para fazer com que o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, se manifestasse. Ele denunciou o caso e acrescentou que o regime de Maduro também já tentou vinculá-lo à ação de militares contra o governo venezuelano.

+ Maduro reforma gabinete e nomeia Delcy como vice-presidente

Almagro também alertou sobre o caso em comunicado para a Iniciativa Democrática da Espanha e Américas (IDEA), na terça-feira 19. Ele fez um "apelo urgente" à comunidade internacional contra a criminalização de Corina. O texto foi assinado por vinte chefes de Estado e Governo e afirma que as ameaças contra a líder comprometem "a paz da Venezuela e a segurança democrática regional".

+ Venezuelanos desafiam a crise para perseguir os próprios sonhos

O presidente eleito da Colômbia, Iván Duque, também condenou a ação do governo chavista. "Acho vergonhoso o que estamos vendo, que é a ditadura de Nicolás Maduroperseguindo agora para levar a líder María Corina Machado à prisão. Essa é uma forma de calar as vozes da oposição", disse Duque, pedindo a "libertação dos presos políticos". / Com AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.