(Photo by Pablo VERA / Pablo Vera/AFP / AFP)
(Photo by Pablo VERA / Pablo Vera/AFP / AFP)

Caminhoneiros bloqueiam estradas do Chile e aderem a protestos

Manifestantes convocaram marchas em Santiago e em outras cidades do Chile nesta sexta-feira; número de mortos chegou a 19 após uma semana de protestos

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de outubro de 2019 | 12h23

Após uma semana, a onda de protestos no Chile continua, apesar das concessões e das promessas do presidente Sebastian Piñera. Nesta sexta-feira, 25, caminhoneiros de todo o país aderiram às manifestações. No começo do dia, eles fizeram caravanas para interromper o fluxo nas principais rodovias de acesso à capital, Santiago.

Para Entender

Guia para entender os confrontos no Chile

Presidente diz que país está ‘em guerra’ diante das manifestações violentas; entenda o que está acontecendo

Segundo a imprensa local, os caminhoneiros protestam contra a cobrança de pedágios em estradas, que foram concedidas em sua maior parte ao setor privado a partir da década de 1990.

Os protestos fizeram Piñera colocar o país em estado de emergência e ordenar toque de recolher, além de recorrer aos militares para controlar as manifestações, incêndios e saques registrados em Santiago e outras cidades na mais grave onda de violência no Chile em três décadas.os protestos. 

Santiago tinha mais linhas de metrô operando parcialmente, uma recuperação paulatina em relação ao fim de semana passado, quando o serviço suspendeu completamente suas operações na esteira de ataques a dezenas de estações -- o que levou os militares a assumirem o controle da segurança da capital.

Número de mortos em protestos no Chile aumenta

Nesta sexta-feira, o número de mortos chegou a 19. Uma criança e um homem morreram após um motorista embriagado avançar com seu carro contra um grupo de manifestantes. A terceira pessoa morreu depois de ser golpeada na cabeça por um policial, de acordo com família da vítima. Entre os 19 mortos, há um peruano e um equatoriano.

O novo balanço de vítimas da onda de protestos no país foi divulgado pelo subsecretário do Interior, Rodrigo Ubilla.

O presidente do ChileSebastián Piñera, anunciou nesta quinta-feira, 24, novas medidas para conter os protestos no país, que completaram uma semana.

Para Entender

Presidente do Chile é visto comendo pizza durante protestos e foto viraliza

Sebastián Piñera foi flagrado no sábado em uma pizzaria; segundo portal chileno, ele foi celebrar o aniversário do neto com a família

Entre as medidas, estão o relaxamento do toque de recolher em Santiago, o congelamento da tarifa de energia elétrica e um convite à Alta-Comissária para Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachellet, para visitar o país e analisar possíveis violações ocorridas na repressão aos protestos. 

Bachelet, que foi presidente do Chile antes de Piñera e pertencia à oposição a Piñera, aceitou o convite e mandou uma equipe ao país natal nesta tarde. 

Tortura de manifestantes no Chile

Novos casos de violações de direitos humanos aplicadas a manifestantes no Chile foram revelados ainda na madrugada de quarta-feira.

Segundo uma das 31 reclamações judiciais abertas pelo Instituto Nacional de Direitos Humanos (INDH) do país, três homens e um menor de idade de 14 anos teriam sido presos pelos policiais e “‘crucificados’ na estrutura metálica da antena” da delegacia da região de Peñalolén, bairro de Santiago, segundo documento adquirido pela imprensa chilena.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.