AFP
AFP

Pelo Twitter, Evo informa que está partindo para o México

Chanceler mexicano confirmou pelo Twitter que ex-presidente boliviano embarcou em um avião do governo mexicano em Cochabamba

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2019 | 18h13
Atualizado 12 de novembro de 2019 | 01h13

CIDADE DO MÉXICO - O ex-presidente boliviano Evo Morales, que renunciou no domingopostou no Twitter, na noite desta segunda-feira, 11, que estava "partindo rumo ao México". "Irmãs e irmãos, parto rumo ao México, agradecido pelo desprendimento do governo desse povo irmão que nos concedeu asilo para proteger nossas vidas. Dói sair do país por razões políticas, mas sempre estarei à disposição. Em breve, voltarei com mais força e energia", escreveu Evo (na tradução livre). 

O anúncio ocorre após a imprensa local informar que um avião militar mexicano pousou na região  central de Cochabamba para levar o ex-presidente ao México. "Evo Morales já está no avião do Governo do México enviado para garantir sua transferência segura para nosso país", confirmou o chanceler mexicano, Marcelo Ebrard, no Twitter.

Evo, que renunciou em meio a uma grave crise após as eleições de outubro, aceitou a oferta de asilo do México, como informou o chanceler mexicano mais cedo. O comandante das Forças Armadas informou antes que o Exército irá atuar junto com a Polícia para conter os novos protestos.

"Informamos que há alguns momentos recebemos uma chamada do presidente Evo Morales mediante à qual respondeu ao nosso convite e solicitou verbal e formalmente o asilo a nosso país", informou o chanceler em uma entrevista coletiva.

O chanceler informou que o asilo foi concedido porque "sua vida e integridade correm riscos". Ele explicou que negociaria com as autoridades bolivianas sobre essa decisão para que concedessem um salvoconduto ao ex-presidente e garantias de que "sua vida, integridade pessoal e liberdade" não seriam colocadas em perigo". 

Para Entender

Crise na Bolívia: Guia para entender a queda de Evo Morales

Após 13 anos no poder, presidente não resiste a pressões das ruas e das Forças Armadas e abandona cargo; veja como isso aconteceu

Horas antes, Ebrard havida dito que, para o México, havia ocorrido um golpe de Estado na Bolívia e seu governo havia recebido mais de 20 pedidos de asilo político.

Na noite de domingo, Evo denunciou que havia uma ordem de "prisão ilegal" contra ele. "Denuncio ao mundo e ao povo boliviano que um oficial da polícia anunciou publicamente que tem a instrução de executar uma ordem de prisão ilegal contra a minha pessoa", tuitou ele, que anunciou também que "grupos violentos" atacaram sua casa.

Primeira noite de um ex-presidente

Em um outro post anterior, o ex-presidente postou uma foto na qual explica como teria passado sua primeira noite após deixar a presidência de maneira forçada por um "golpe de (Carlos) Mesa e (Luis Fernando) Camacho", líderes oposicionistas, segundo ele, com a ajuda da Polícia.

"Assim me lembrei dos tempos de dirigente (sindical). Agradeço muito aos irmãos das federações de Trópico de Cochabamba por me fornecer segurança e cuidado", escreveu.  /EFE e AP 

Tudo o que sabemos sobre:
Evo MoralesBolívia [América do Sul]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.