TV do Parlamento Britânico/via Reuters
TV do Parlamento Britânico/via Reuters

Guia: O que significa a derrota de Boris Johnson no parlamento britânico?

Confira perguntas e respostas sobre a derrota do premiê na Casa e como o Brexit deve ser encaminhado a partir de agora

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de setembro de 2019 | 21h00

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, sofreu nesta terça-feira, 3, uma derrota no Parlamento que pode atrapalhar seus planos de impor um Brexit sem acordo a qualquer custo para o dia 31 de outubro. 

Os parlamentares tomaram o controle do cronograma do Brexit, após Johnson ter perdido a maioria na Casa.

As rusgas com o Parlamento se agravaram quando o premiê estendeu o período de recesso parlamentar, medida que iria concedê-lo autonomia no andamento da saída do Reino Unido da União Europeia. 

Tire suas dúvidas sobre o impasse entre Johnson e o Parlamento no Reino Unido: 

A perda da maioria tira Boris Johnson do cargo?

Apesar de não ter maioria, Johnson ainda é o primeiro-ministro. Ele só sairá do cargo caso o Parlamento aprove um voto de desconfiança contra ele. Quem tem poder para chamar essa votação é o líder da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn, mas não há garantia de que ele fará isso.

Por que Corbyn hesita em votar uma moção de desconfiança contra Johnson?

Corbyn pertence a ala mais à esquerda do partido, e por isso pode não ter o apoio dos parlamentares centristas, principalmente dos liberais democratas, para se tornar o premiê.

O que acontece se a moção for votada e Johnson perder?

Caso Boris perca o voto de desconfiança e o Parlamento não consiga aprovar outro nome para o cargo em 14 dias, novas eleições gerais são convocadas automaticamente.

Por que o Brexit votou outra crise política no Reino Unido?

Boris Johnson decidiu ampliar o recesso do Parlamento, numa medida inusitada em tempos recentes. Com isso, os deputados teriam pouco tempo de debater uma lei para aprovar um acordo com a União Europeia. Como o prazo para o divórcio com a UE vence no final de outubro, isso facilitaria um divórcio sem acordo, como quer o premiê.

O que Boris Johnson realmente quer?

Desde o seu primeiro discurso como primeiro-ministro em julho, Johnson insistiu que ele está preparado para que o Reino Unido saia da União Europeia no prazo de 31 de outubro, com ou sem um acordo. Ele argumenta que tal posicionamento proporciona-o maior poder de barganha em negociações com a Europa para assegurar um novo acordo que seja mais benéfico ao Reino Unido. 

É possível um novo Brexit?

Enquanto aumentava as expectativas em casa, Johnson acelerou as discussões com Bruxelas por meio de seu negociador do Brexit, David Frost, em uma tentativa de encontrar uma alternativa para a cláusula das Irlandas, um elemento do acordo proposto do Brexit que tem sido o principal tema de impasse. 

Mas críticos afirmam que não há tempo suficiente para se arranjar uma solução à questão complexa antes do fim de outubro. E muitos dizem que as negociações, além da insistência de Johnson para o Brexit a qualquer custo, são somente uma estratégia com foco em uma eleição geral, cuja ele pode se enquadrar como o candidato que fez um duro esforço para entregar um Brexit ungido pela vontade do povo, contra políticos de careira e outras figuras de Westminster. / NYT e AFP

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.