AP Photo/Rebecca Blackwell
AP Photo/Rebecca Blackwell

Rajada de vento derrubou avião acidentado no México, afirma governador

Segundo José Rosas Aispuro, fenômeno fez aparelho produzido pela Embraer descer bruscamente e tocar o solo com a asa esquerda; de acordo com relato de passageiro do voo, aeronave foi atingida por intensa chuva de granizo momentos antes da queda

O Estado de S.Paulo

01 Agosto 2018 | 15h57

CIDADE DO MÉXICO - O avião que se acidentou na terça-feira no aeroporto internacional de Durango, no México, foi atingido por uma rajada de vento que o fez descer bruscamente quando decolava e tocar o solo com a asa esquerda, afirmou nesta quarta-feira, 1º, o governador do Estado, José Rosas Aispuro.

Aispuro explicou que o impacto da asa no solo fez com que o motor do lado esquerdo se desprendesse, segundo comunicado divulgado pelo governo. A aeronave do voo 4231 da Aeroméxico caiu fora da pista, deslocando-se no terreno e ficando a 300 metros do asfalto.

O governador afirmou que imediatamente foi ativado o centro de emergência do Aeroporto Guadalupe Victoria e, minutos depois, as autoridades começaram a socorrer os ocupantes do avião.

De acordo com o comunicado, a posição horizontal na qual ficou o avião permitiu o uso dos escorregadores de emergência. Foram resgatados os 99 passageiros e quatro membros da tripulação do avião fabricado pela Embraer, que tinha dez anos de uso.

Aispuo afirmou, no entanto, que a comissão de acidentes e incidentes de Aviação Civil do México será a instância responsável por determinar as causas exatas do acidente. De acordo com o governador do Estado de Durango, os 18 feridos do acidente permanecem hospitalizados e evoluem favoravelmente nesta quarta-feira.

Uma menina com queimaduras de primeiro e segundo graus é a passageira em estado mais grave, enquanto o piloto do avião se encontra estável depois de ter sido operado na noite de terça.

Granizo

Um passageiro americano que estava dentro do voo da Aeroméxico afirmou nesta quarta que, além da forte rajada de vento, a aeronave também foi atingida por granizo - chovia forte no momento da decolagem.

Alberto Herrera, de Chicago, descreveu os momentos aterrorizadores pelos quais os passageiros e tripulantes passaram dentro do E190 nos instantes seguintes à decolagem.

"Começamos a ganhar velocidade e, assim que o avião começou a subir de fato, teve problemas e foi atingido pelo granizo", disse Herrera, em entrevista em inglês. Este desenvolvedor de sites de 35 anos visitava Durango para o batizado do filho de um primo.

"Quanto mais entrávamos na tormenta, mais pesada ficava a chuva de granizo e éramos atingidos por mais vento", relatou Herrera do hotel onde está hospedado. "Então, de repente, o avião começou a balançar e a se mover de forma perigosa até atingir o solo." / EFE e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.