REUTERS/Guadalupe Pardo
REUTERS/Guadalupe Pardo

Após conceder perdão a Fujimori, presidente peruano deve reformular ministério

Premiê Mercedes Araóz afirmou que Pedro Pablo Kuczynski pediu que ela permaneça à frente do gabinete e busque maneiras de fortalecê-lo

O Estado de S.Paulo

28 Dezembro 2017 | 10h28

LIMA - O presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, deve reformular o gabinete de ministros nos próximos dias, depois de causar revolta ao conceder perdão ao ex-líder autoritário Alberto Fujimori, anunciou a primeira-ministra do país na quarta-feira 27.

+ Kuczynski pede que peruanos aceitem indulto a Fujimori e virem a página

A premiê, Mercedes Araóz, disse que Kuczynski, ex-investidor de Wall Street de 79 anos, pediu que ela permaneça à frente do gabinete e busque maneiras de fortalecê-lo. “O presidente me pediu para realizar uma análise abrangente, e veremos o que acontece nos próximos dias”, afirmou ela em uma entrevista coletiva, em sua primeira aparição pública desde o anúncio do perdão, na véspera de Natal.

+ Líder peruano liberta Fujimori após se livrar de destituição e agrava crise

Nas últimas duas semanas a situação política do país, um grande exportador de metais, se tornou volátil subitamente depois que o Congresso - dominado pela oposição de direita - tentou destituir Kuczynski, de centro-direita, em reação a um escândalo de corrupção.

O presidente foi salvo em uma votação graças a parlamentares fiéis a Fujimori. Dois dias depois, ele perdoou o ex-presidente adoecido, provocando protestos violentos e renúncias de políticos. Opositores alegam que o indulto foi um pagamento pela manutenção de Kuczynski no cargo.

Não ficou claro quais ministros estarão vulneráveis em uma eventual reformulação, mas esta pode levar a uma guinada do governo para a direita, já que os ex-apoiadores de esquerda de Kuczynski o acusaram de ser um “traidor” por perdoar Fujimori. Não se planeja substituir a ministra das Finanças, Claudia Cooper, relatou uma fonte do governo.

Fujimori se encontra estável em um hospital de Lima, para onde foi levado às pressas da prisão no sábado para tratar um problema grave de pressão e problemas cardíacos, de acordo com seu médico.

Mercedes Araóz disse respeitar a decisão de Kuczynski de perdoar Fujimori, e enfatizou que ele estava estudando a medida muito antes da votação do Congresso para tentar depô-lo. “Nem eu, nem qualquer membro do meu gabinete, nem o partido governista Peruanos pela Mudança participou de qualquer negociação para trocar um perdão humanitário (por votos)”, afirmou a premiê.

Fujimori cumpriu 12 anos de uma pena de 25 anos por corrupção e crimes contra os direitos humanos durante seu governo de direita entre 1990 e 2000. O indulto de Kuczynski o livrou das acusações e o blinda de qualquer julgamento referente a processos judiciais pendentes.

Fujimori é rejeitado por muitos que o veem como um ditador corrupto, mas é admirado por outros que lhe dão crédito por ter encerrado uma crise econômica e aniquilado o grupo de esquerda Sendero Luminoso. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.