Ministério das Relações Exteriores do México / AP
Ministério das Relações Exteriores do México / AP

Avião de Evo rumo ao México faz escala no Paraguai para abastecer

Segundo veículos locais, aeronave teve de parar também por não ter autorização para sobrevoar o território peruano; informação não foi confirmada pela Direção Nacional de Aeronáutica Civil (Dinac) paraguaia; ministro da Defesa boliviana renuncia

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2019 | 06h44
Atualizado 12 de novembro de 2019 | 08h58

ASSUNÇÃO - O avião da Força Aérea do México no qual viaja o ex-presidente boliviano Evo Morales decolou nesta terça-feira, 12, do aeroporto internacional de Assunção, onde chegou de madrugada e permaneceu durante várias horas após sair da Bolívia, segundo uma fonte oficial.

De acordo com alguns veículos locais, a aeronave Gulfstream G 550 partia rumo ao México, mas teve de parar no Paraguai por não ter autorização para sobrevoar o território peruano. Contudo, a Direção Nacional de Aeronáutica Civil (Dinac) ainda não divulgou nenhuma informação oficial a respeito. 

O portal paraguaio Hoy informou que o avião aterrissou em Assunção por volta da 1h30 para reabastecer após o Peru negar autorização para sobrevoar o território. O veículo destaca que o Brasil pode ter tomado a mesma decisão.

Para Entender

Crise na Bolívia: Guia para entender a queda de Evo Morales

Após 13 anos no poder, presidente não resiste a pressões das ruas e das Forças Armadas e abandona cargo; veja como isso aconteceu

Após várias conversas, o Peru teria cedido seu espaço aéreo e às 4h53, a aeronave partiu rumo ao México, país que ofereceu asilo político para Evo. O ex-presidente viaja junto a seu filho e ao ex-vice-presidente Álvaro García.

Ministro da Defesa renuncia

O ministro da Defesa da Bolívia, Javier Eduardo Zavaleta López, decidiu renunciar ao cargo. Ele fez o anúncio por meio de uma carta divulgada no Twitter na qual diz que sua vontade “sempre foi preservar a institucionalidade das Forças Armadas a serviço da população” e não contra ela.

“Jamais emitimos uma ordem para que nossos soldados e marinheiros levantassem uma arma contra seu povo e jamais a faremos”, indicou Zavaleta. “O Estado que construímos é uma Bolívia na qual um militar deveria assumir a defesa de sua pátria ao lado de seu povo e não contra ele, portanto, a responsabilidade de virar as armas contra o povo será daqueles que tomaram essa decisão.”

"Senhor Carlos Mesa (ex-presidente e principal rival de Evo nas últimas eleições, senhor Fernando Camacho (líder opositor acusado por Evo de orquestrar um golpe de Estado para tirá-lo do poder), um assunto político não se resolve aumentando o calibre da repressão contra seus compatriotas, as balas não são a resposta e nem a solução", acrescenta o texto.

Zavaleta é o 13.º ministro a renunciar do antigo gabinete de Evo Morales, que renunciou à presidência no domingo em meio à crise política desencadeada após as eleições de 20 de outubro e pelas quais é acusado de fraude. O resultado - que havia dado a ele mais um madato - também foi questionado pela Organização dos Estados Americanos (OEA). / EFE e AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.