AP Photo/Evan Vucci
AP Photo/Evan Vucci

Polícia considera improvável ação solitária de atirador em Las Vegas

Xerife da cidade afirma considerar difícil que o aposentado Stephen Paddock, que tinha 64 anos, tenha levado todo o equipamento encontrado em seu quarto no hotel sem nenhum apoio externo

Cláudia Trevisan, Enviada Especial / Las Vegas, O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2017 | 23h03

LAS VEGAS, EUA - Responsável pela investigação do ataque que deixou 59 mortos em Las Vegas no domingo, o xerife Joseph Lombardo disse nesta quarta-feira, 5, que considera improvável que o aposentado Stephen Paddock tenha agido sozinho na preparação do atentado. "Nós temos de supor que ele teve alguma ajuda, em algum momento”, disse o policial, ressaltando que não há nenhuma informação concreta sobre potenciais cúmplices.

+ Enquanto Trump silencia sobre armas, Las Vegas estimula ‘turismo da bala’

Lombardo afirmou que considera difícil que Paddock, que tinha 64 anos, tenha levado todo o equipamento encontrado em seu quarto no hotel Mandalay sem nenhum apoio externo. O atirador tinha em sua suíte 23 armas, centenas de cartuchos de munição e tripés. Grande parte delas era composta de fuzis em estilo militar. “Talvez ele tenha conseguido fazer isso sozinho, mas seria difícil  acreditar nisso.”

+ Quem são as vítimas do ataque em Las Vegas

A polícia encontrou várias caixas no carro de Paddock, deixado no estacionamento do hotel. Em duas delas, havia explosivos. Em outra, 1.600 cartuchos de munição. Lombardo afirmou que os investigadores ainda estão contando o número de disparos realizados pelo atirador, mas estimou que foram milhares. O número de feridos do atentado foi revisado ontem para 489. De seu quarto no 32º andar do Mandaly, Paddock mirou em uma multidão de 22 mil pessoas que assistiam a um festival de música country.

Além das 23 armas do hotel, a polícia encontrou outras 24 na casa de Paddock, a 130 km de distância de Las Vegas. “Olhe para a obtenção de armas, os diferentes tipos de explosivos disponíveis. Você acha que ele conseguiu fazer isso sozinho?”, perguntou o xerife, que pediu “paciência” em relação à investigação.

Vídeos mostram pânico durante ataque em festival

Aaron Rouse, chefe do FBI em Las Vegas, ressaltou que o trabalho demandará tempo. Segundo ele, mais de cem agentes estão envolvidos na operação, que envolve o interrogatório de pessoas dentro e fora dos Estados Unidos. “Nós estamos seguindo múltiplas pistas.” Rouse afirmou que não há indicação de que vínculos de Paddock com grupos terroristas, mas observou que essa possibilidade ainda não foi totalmente descartada.

Antes de se hospedar no hotel Mandalay, na quinta-feira, o atirador passou alguns dias em um hotel no centro de Las Vegas, informou o xerife. O período coincidiu com a realização de um outro festival de música na cidade. Lombardo disse que não poderia “entrar na mente” de Paddock para saber se ele planejava realizar seu ataque naquele período. “Talvez ele estivesse fazendo um reconhecimento de terreno. Não sabemos.”

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.