Chris J Ratcliffe / AFP
Chris J Ratcliffe / AFP

Rússia desconhece substância usada contra casal intoxicado e diz que caso é ‘preocupante'

Porta-voz do Kremlin afirma que se ofereceu para investigar com Londres o envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal em março, mas não teve resposta, e voltou a negar envolvimento com o caso

O Estado de S.Paulo

05 Julho 2018 | 08h56

MOSCOU - A Rússia afirmou nesta quinta-feira, 5, que não recebeu qualquer informação das autoridades britânicas sobre o casal intoxicado no Reino Unido pelo mesmo agente neurotóxico que, segundo Londres, foi usado para envenenar o ex-espião russo Serguei Skripal em março.

+ Ataque a ex-espião russo custou R$ 37,32 milhões à polícia inglesa

+ Ex-espião russo repassou informações a serviços de inteligência europeus

"Não temos informação sobre quais substâncias foram usadas, nem como foram usadas", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, acrescentando que o caso é "muito preocupante" pelo "uso reiterado de tais substâncias na Europa".

+ Autoridades britânicas alertam para áreas contaminadas com agente neurotóxico em Salisbury

+ Relações diplomáticas entre EUA e Rússia: as expulsões de representantes ao longo dos anos

De acordo com a polícia britânica, o novo caso de envenenamento, com uma substância de origem russa, aconteceu no dia 30 no condado britânico de Wiltshire, no sul da Inglaterra, intoxicando dois britânicos.

+ Entenda as sanções impostas por Londres a Moscou por envenenamento de ex-espião

Peskov também reiterou que a Rússia "negou categoricamente, e mantém tal posição" sobre sua suposta relação com o envenenamento de Skripal e sua filha, Yulia, em Salisbury. Ele se ofereceu, desde o início, para investigar conjuntamente com Londres o incidente, mas "a proposta ficou sem qualquer resposta".

O ex-espião russo de 67 anos e sua filha, de 33 anos, foram envenenados no dia 4 de março com o agente Novichok em um ataque que, segundo o governo britânico, foi orquestrado pela Rússia.

Em represália, o Reino Unido expulsou dezenas de diplomatas russos, enquanto Moscou negou qualquer vínculo com os fatos e fez o mesmo com diplomatas britânicos.

Para entender

O nome Novichok significa “recém-chegado” em russo e aplica-se a um grupo de agentes neurotóxicos avançados desenvolvidos pela União Soviética nas décadas de 1970 e 1980. Eles eram conhecidos como armas químicas de quarta geração.

Estima-se que um dos grupos de produtos químicos conhecidos como Novichok - A 230 -seja 5 a 8 vezes mais tóxico do que o agente VX. Embora as principais variantes de Novichok sejam líquidas, há quem acredite que existem em forma sólida e também podem ser dispersas por meio de um pó.

Se uma pessoa ingerir o Novichok, ele começa a produzir efeitos em um intervalo de 30 segundos a 2 minutos. Em forma de pó, os sintomas podem aparecer depois de 18 horas após a exposição. Os sintomas por agente neurotóxico incluem intoxicação, convulsões e, nos piores casos, coma, insuficiência respiratória e morte. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.