Erin Schaff/The New York Times
Erin Schaff/The New York Times

Senado dá início a julgamento de impeachment de Trump; sessão será retomada na próxima terça-feira

Para passar, é preciso que dois terços dos senadores apoiem a remoção do presidente dos Estados Unidos

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de janeiro de 2020 | 16h36
Atualizado 16 de janeiro de 2020 | 19h37

WASHINGTON -Com a leitura solene das acusações de abuso de poder e obstrução do Congresso, começou nesta quinta-feira, 16, o julgamento do impeachment do presidente americano, Donald Trump, no Senado.

O sargento de armas da Câmara alta, Michael Stenger, abriu o terceiro julgamento de impeachment de um presidente americano na história com uma advertência aos 100 senadores. 

"Todas as pessoas têm ordem de manter silêncio, enquanto a Câmara dos Deputados apresenta acusações contra Donald John Trump, presidente dos Estados Unidos", disse Stenger após a chegada no Senado dos sete membros da câmara baixa que atuarão como promotores do caso.

Adam Schiff, presidente do Comitê de Inteligência da Câmara dos Deputados, que atuará como promotor principal do julgamento, leu em seguida as duas acusações aprovadas em 18 de dezembro.

"Em sua conduta e violando seu juramento constitucional, Donald J. Trump abusou dos poderes da presidência", disse Schiff, em leitura do primeiro artigo de impeachment. O presidente americano é acusado de "crimes graves e delitos menores", acrescentou.

O presidente da Suprema Corte de Justiça, John Roberts, prestou juramento para liderar o julgamento. Em seguida, os 100 senadores prestaram juramento se comprometendo a atuar de maneira "imparcial", perante Roberts, de 64 anos e nomeado membro da instância máxima da justiça americana pelo presidente George W. Bush.

Após esse rito, a sessão foi interrompida e será retomada na próxima terça-feira, 21, às 13h (horário local), segundo o líder da maioria republicana no Senado americano, Mitch McConnell.

A absolvição de Trump é dada como certa, já que os republicanos são a maioria no Senado e a condenação só é possível com o apoio de dois terços dos integrantes da casa.

A hora do Senado

Trump é acusado de abuso de poder e obstrução do Congresso por causa do escândalo ucraniano, um caso em que ele é acusado de pressionar Kiev a investigar o democrata Joe Biden, seu possível adversário nas eleições presidenciais de novembro.

Segundo um relatório divulgado nesta quinta-feira pelo gabinete de prestação de contas do governo (GAO), os serviços responsáveis pelos assuntos orçamentários da Casa Branca "violaram a lei, retendo cerca de 214 milhões de dólares alocados no Departamento de Defensa para uma ajuda militar à Ucrânia". 

"O cumprimento fiel da lei não permite que o presidente substitua suas próprias prioridades políticas pelas promulgadas pelo Congresso", informou o GAO, um organismo de controle do Congresso. 

A segunda acusação do processo de impeachment se refere à obstrução do Congresso, por Trump se recusar a fornecer testemunhas e documentos aos investigadores da Câmara dos Deputados, desafiando as convocações do Congresso.

McConnell tem sido extremamente crítico em relação à acusação de Trump apresentada pela Câmara dos Deputados, controlada pelos democratas, e prometeu nesta quinta-feira que as coisas seriam diferentes no Senado.

"Foi uma evidente atuação partidária do início ao fim", disse McConnell. "Mas agora o processo não será assim (...) O momento da Câmara dos Deputados acabou. A hora do Senado está se aproximando", acrescentou.

As duas acusações contra Trump foram encaminhadas ao Senado na quarta-feira numa ato solene tendo à frente os sete democratas da Câmara dos Deputados que serão os promotores do caso contra o 45º presidente dos Estados Unidos.

"Tão triste, tão trágico para o nosso país, que as ações tomadas pelo presidente para minar nossa segurança nacional, violar seu juramento e colocar em perigo a segurança de nossas eleições, nos levaram a isso", disse Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Deputados, ao assinar os artigos com as acusações. "Ninguém está acima da lei", garantiu. 

Pelosi demorou a entregar os artigos ao Senado para pressionar McConnell a concordar em convocar testemunhas e solicitar documentos que a Casa Branca bloqueou. Mas McConnell se recusou a se comprometer com isso, dizendo que será decidido após a apresentação dos argumentos e perguntas iniciais do julgamento.

'Outro golpe'

Um funcionário do governo Trump disse à imprensa que o governo espera que o julgamento não dure mais de duas semanas, sugerindo que McConnell poderia usar sua maioria republicana, de 53 contra 47 democratas, para não convocar testemunhas e rapidamente levar as acusações a votação.

Trump ridicularizou a investigação e o julgamento na quarta-feira, como faz há meses. "Aqui vamos nós de novo, com outro golpe feito pelos democratas que não fazem nada", publicou no Twitter o presidente.

Nesta quinta-feira, Trump voltou a dizer à imprensa que considera todo o processo como uma "caça às bruxas" e que espera que seja resolvido de forma rápida no Senado.

Os democratas publicaram documentos nesta semana mostrando que o advogado pessoal do presidente, Rudy Giuliani, trabalhou com anglo-ucraniano Lev Parnas para pressionar Kiev a investigar Biden.

Também denunciaram  como ambos, junto com as autoridades ucranianas, tentaram expulsar a embaixadora americana no país, Marie Yovanovitch, que acabou sendo destituída por Trump.

Em entrevista à rede MSNBC na quarta-feira, Parnas afirmou que "o presidente Trump sabia exatamente o que estava acontecendo". "Estava a par de todos meus movimentos. Não faria nada sem o consentimento de Rudy Giuliani ou do presidente", disse.

Além de Schiff, o presidente do Comitê de Justiça, Jerry Nadler, outro inimigo declarado de Trump, também estará na equipe de acusação, que conta também com três mulheres, duas negras e uma hispânica, refletindo a diversidade do Partido Democrata.

Trump espera celeridade

"Nossa economia nunca esteve melhor" declarou Trump, ao lembrar que a taxa de desemprego nos EUA atualmente é a mais baixa em 50 anos. O líder da Casa Branca ressaltou, ainda, a conclusão da chamada "fase 1" do acordo comercial entre Washington e Pequim como uma vitória de sua gestão e elogiou a aprovação do acordo comercial Estados Unidos-México-Canadá (USMCA, na sigla em inglês), que foi aprovado nesta tarde pelo Senado e substitui o antigo Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta, na sigla em inglês). / AFP e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Donald Trumpimpeachment

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.