AP Photo/Craig Ruttle
AP Photo/Craig Ruttle

Melania critica política migratória de Trump e diz que odeia ver famílias separadas na fronteira

Primeira-dama se manifestou a respeito das cerca de 2 mil crianças que foram separadas de seus parentes em consequência da política de tolerância zero aplicada pelo governo Trump

O Estado de S.Paulo

18 Junho 2018 | 12h42

WASHINGTON - A primeira-dama dos Estados Unidos, Melania Trump, criticou a política migratória de tolerância zero do governo de seu marido e disse que odeia ver famílias separadas na fronteira do país. Ela afirmou esperar que democratas e republicanos possam reformar as leis de imigração americana, informou um comunicado de seu gabinete no domingo 17.

+ Crianças do Brasil são separadas dos pais nos EUA

A porta-voz da primeira-dama, Stephanie Grisham, disse que Melania acredita que os EUA precisam "ser um país que segue todas as leis, mas também um país que governa com o coração.

A declaração sugere que a questão migratória deve ser tratada pelo Congresso, mas legisladores democratas afirmam que nenhuma lei determina a separação de crianças e pais na fronteira.

+ Famílias imigrantes sofrem com separação na fronteira dos EUA

+ Trump diz que rejeitará lei migratória moderada; secretário defende separação de pais e filhos

A separação é consequência de uma nova política do governo Trump, que entrou em vigor em maio, buscando maximizar os processos criminais contra pessoas pegas em flagrante tentando entrar nos EUA ilegalmente - o secretário de Justiça, Jeff Sessions, chamou a política de "tolerância zero". Mais adultos foram presos e, como resultado, foram separados de seus filhos.

A ex-primeira-dama republicana Laura Bush se juntou às críticas, chamando a política de separação de "cruel" e "imoral". Em uma coluna para o Washington Post, ela comparou o caso aos campos de internação para nipo-americanos durante a Segunda Guerra Mundial.

A participação no debate político é incomum tanto para Melania quanto para Laura.

+ Melania Trump faz aparição discreta após 24 dias longe dos olhos do público

+ Em reunião do G7, Trump disse que enviaria 25 milhões de mexicanos ao Japão

Segundo estatísticas do governo americano, cerca de 2 mil meninos e meninas foram separados de seus parentes durante um período de seis semanas, entre abril e maio.

A porta-voz da primeira dama divulgou o comunicado depois que imagens de crianças chorando foram mostradas nos canais de televisão e mídia online por vários dias. Na sexta-feira 16, o presidente Trump disse odiar que as crianças sejam levadas de seus pais, mas culpou o Partido Democrata pela lei que estabelece a separação.

+ Separação de famílias de imigrantes causa racha entre Casa Branca e Partido Republicano

Parlamentares democratas se uniram a manifestantes reunidos diante de centros de detenção de imigrantes nos Estados americanos de New Jersey e Texas, no domingo 17, para realizar protestos no Dia dos Pais contra a prática do governo Trump.  O deputado Beto O’Rourke, que concorre ao senado texano, liderou uma passeata rumo a um centro de detenção temporária para crianças imigrantes montado perto de El Paso.

A assessora da Casa Branca Kellyanne Conway disse no programa “Meet the Press”, da NBC, no domingo: “Como mãe, como católica, como alguém que tem consciência ... vou dizer que ninguém gosta dessa política”. “Você viu o presidente (dizendo) na câmera que ele quer que isso acabe”, acrescentou. / AP e REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Melania Trump imigração

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.